A Nossa Saúde em Debate de Ideias

Foto Teia Ideias 2

O Pequeno Auditório do TEMPO – Teatro Municipal de Portimão encheu para um debate esclarecedor, profícuo e não menos polémico sobre o panorama actual dos serviços de saúde no Algarve e, mais especificamente, no Barlavento. Para tal, este Teia D´Ideias contou com um painel de convidados constituído por Ulisses Brito (presidente do Conselho Distrital do Distrito Médico do Algarve da Ordem dos Médicos), Luís Batalau (médico e ex-presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio), José Amarelinho (presidente da Câmara Municipal de Aljezur), Joaquina Matos (presidente da Câmara Municipal de Lagos) e Vítor Dias, enquanto representante da Teia D’Impulsos. A moderação do debate esteve a cargo de Nuno Silva. Ao contrário do previsto, Pedro Nunes (presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Algarve) e João Moura Reis (presidente do Conselho Directivo da Administração Regional de Saúde do Algarve) não compareceram ao debate por motivos de ordem pessoal.

O debate iniciou-se com um apelo de Luís Batalau: “Acordai, cidadãos do Barlavento. Acordai, autarcas”. O diagnóstico traçado está longe de ser positivo. À inquietação dos utentes, que assistem à degradação da qualidade dos cuidados de saúde disponíveis, une-se o descontentamento dos próprios profissionais de saúde, que já tomaram publicamente uma posição através de um abaixo-assinado subscrito já por 205 dos 230 médicos especialistas do Centro Hospitalar do Algarve. A fusão das duas unidades hospitalares do Algarve tem revelado fragilidades na forma como foi implementada, repercutindo-se na qualidade dos serviços prestados. Uma situação agravada pelos cortes orçamentais, cujas consequências não se fazem sentir apenas no Algarve, mas sim em todo o território nacional, algo plenamente divulgado pelos media, gerando desconforto e insegurança entre a população.
A discussão alargou-se ao público presente, que respondeu positivamente ao repto lançado e encheu a sala. Foram lançadas questões determinantes e que reflectem as inquietações de utentes e profissionais da saúde. Primeiro, alertou-se para a falta de resposta dos cuidados primários, cujas consequências se reflectem na obstrução dos serviços de urgência hospitalar. Outra questão levantada prendeu-se com o progressivo fecho de especialidades no hospital de Portimão – Cardiologia, Otorrinolaringologia, Oftalmologia, o encerramento anunciado no Bloco de Partos – e como esta estratégia pode estar a colocar em xeque a qualidade dos cuidados de saúde prestados aos utentes do Barlavento algarvio.

Diálogo foi um conceito permanentemente repetido ao longo do debate como uma parte importante para a solução dos problemas. Este Teia D’Ideias, ao lançar para discussão um tema polémico que interessa a todos, pretendeu dar um contributo para a construção desse diálogo. A Teia D’Impulsos agradece o apoio da Pastelaria Milénio e da Delta Cafés na realização do coffee-break. Para o próximo dia 19 de Fevereiro, está agendado o quarto episódio desta série de Teia D’Ideias, subordinado ao tema “Gerações Mais Qualificadas, Gerações Mais Desempregadas”

TDI-NotaImprensa 02-2014