FOrA | Newsletter 2 | 30 Jun

Floripes1

Hoje é o primeiro dia FOrA.

A partir das 21.00, no Teatro Municipal de Portimão, será dado o pontapé de saída da segunda edição do FOrA – Festival da Oralidade do Algarve. Todos estão convidados a assistir à abertura deste evento que irá levar o património oral às bocas de Portimão. E começa com uma lenda que, há gerações, faz parte da memória colectiva das gentes de Olhão – a da moura Floripes. É este o mote do filme Floripes de Miguel Gonçalves Mendes, estreado originalmente em 2007 e produzido pela JumpCut. Conjugando o documentário com a ficção, a verdade e o imaginário, o medo e o mito, seguimos pelas vozes dos olhanenses a história da moura que enfeitiçava os pescadores e os conduzia à tragédia.

Reza a lenda que Floripes, uma moura encantada, deambulava todas as noites, triste e sem destino, pela vila de Olhão.
Prisioneira do seu encantamento, representa o medo e o sofrimento da comunidade dos pescadores olhanenses, que, inebriados pelo feitiço da bela e misteriosa mulher, morreriam ao tentar atravessar o mar.

Este mito é o pretexto para evocar os seus temores e o nosso maior medo – a morte.
Marque na sua agenda: encontro marcado com a Moura no Pequeno Auditório do TEMPO às 21.00.
Entrada gratuita.

Entrevista de Carla Vieira à LUSA