Entries by Rita Inácio

Teia D’Ideias revela os principais desafios da imigração na comunidade algarvia

Na passada sexta-feira foi dia de Teia D’Ideias acerca da “Imigração – Desafios e Benefícios da Multiculturalidade“. Uma conversa bastante rica sobre a melhor forma de integrar os imigrantes, pelo que fazemos questão de partilhar agora com todos vós os contributos tão especiais dos nossos convidados. Uma verdadeira lição.

Patricia Pires
Tavira Integra

Desde o ano 2000 que a Fundação Irene Rolo (FIR), situada em Tavira e focada na diversidade funcional, criou uma unidade de Novos Projetos, que lhe possibilita trabalhar com diferentes populações, nomeadamente, pessoas carenciadas e imigrantes.

Já a partir de 2016 que o concelho de Tavira começou a registar um grande fluxo migratório face a um “boom” na agricultura, sobretudo, na área dos frutos vermelhos que requer muita mão de obra. Os imigrantes acabam por ser, assim, “a alavanca da nossa economia“, respondendo a esta falta premente de mão de obra em diferentes áreas do nosso país.

Foi então em setembro do ano passado que nasceu o projeto Tavira Integra+, em parceria com o Município, pois não existia qualquer resposta para a comunidade imigrante. Ouvimos Patrícia Pires, coordenadora deste projeto.

Respostas criadas

– Entre 2021 e 2023, a FIR ofereceu formação de português a 434 imigrantes e Patrícia assegura: “A procura é imensa, nós não temos capacidade para mais“.

– Criação do Guia de Serviços de Tavira traduzido em 7 línguas com informação sobre os serviços públicos (processo de legalização e inscrição dos filhos na escola) e a comunidade tavirense. Segundo a técnica, “existe muito pouca informação traduzida“.

– Sensibilização e formação destinada aos próprios serviços públicos para os “aproximar” da comunidade imigrante e das suas dificuldades;

– Sensibilização junto dos empresários que se revelam “muito recetivos” a estas temáticas, como por exemplo o tráfico humano e condições dignas de trabalho.

 Atividades culturais, como a comemoração de efemérides portuguesas e de outras nacionalidades.

 Atividades desportivas com “muito sucesso” na integração dos imigrantes na comunidade.

– Partilha de vídeo com a história de Tavira e de uma curta metragem protagonizada por uma imigrante nepalesa que conta a sua história de vida e que é hoje presidente de uma associação de migrantes criada através do Tavira Integra+.

Em 2023, o Município de Tavira apresentou um Plano Municipal para a Integração de Migrantes tendo para isso ouvido muitos deles.

Ludmila Moghilevscaia
Centro de Apoio à População de Leste e Amigos

Ludmila é, no fundo, uma imigrante que acolhe outros imigrantes na cidade de Portimão. Chegou a Portugal em 1999 quando as dificuldades económicas lhe trocaram as voltas no seu país. Em 2004 foi uma das fundadoras do Centro de Apoio à População de Leste e Amigos (C.A.P.E.L.A.) e explica a parte dos amigos: “Trabalhamos com todas as nacionalidades, independentemente da raça, cor ou religião“.

Desde 2008 que assume a presidência do Grupo e também técnica no seu Gabinete de Apoio de Informação e Acolhimento. Ludmila atenta que existem muitos gabinetes destes por todo o país mas que abordagem do C.A.P.E.L.A é diferente. “É feita uma triagem dos problemas e dificuldades que os imigrantes enfrentam e depois fazemos o acompanhamento da pessoa até à devida resolução“. Em apenas 1 ano, a C.A.P.E.L.A é capaz de dar resposta a cerca de 6.000 atendimentos.

20% da população em Portimão é imigrante e têm surgido muitos problemas na vida destas pessoas. Ludmila aponta, sobretudo, a questão do dia a dia e dos serviços públicos se desenrolarem no digital. As marcações desses serviços, queixas etc. são todas feitas via email ou através de certas plataformas e “a maior parte dos imigrantes não têm internet ou sequer conhecimentos informáticos“. Além disso, a burocracia é imensa pelo que a C.A.P.E.L.A criou uma equipa de mediadores, voluntários que acompanham o imigrante a todos estes serviços.

Durante seis meses o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) não funcionou devidamente e, nesse período, muitos imigrantes ficaram sem título de residência válido, sem emprego, plano de saúde ou qualquer ação social.

A nova lei que facilita a entrada e permanência de imigrantes oriundos dos PALOP obriga a encontrar emprego e a obter título de residência em apenas quatro meses. Os imigrantes não tem qualquer rede social de apoio, não conseguem emprego e terminam em situação de sem abrigo.

Não revelámos a nacionalidade da Ludmila mais cedo pois aprendemos algo com ela: aos imigrantes que recebe pergunta primeiro qual o problema em que os pode ajudar. Só depois se “preocupa” em saber o seu país de origem. A Ludmila é moldava.

Ronaldo dos Santos
“Cada imigrante tem a sua história e a oportunidade de a reescrever”

Ronaldo é um imigrante brasileiro a residir em Portimão e voluntário da Associação Teia D’Impulsos. Desde o primeiro momento que procurou “envolver-se socialmente na comunidade onde estava inserido” e no Campeonato Mundial de Vela Adaptada, organizado pelo projeto Vela Solidária da TDI, aprendeu uma “lição multicultural muito grande“. 

Tive muita sorte ao chegar aqui e fui extremamente bem acolhido“, defende, mas sabe que existem casos bem diferentes. “Alguns imigrantes não conseguem reescrever a história com que sonharam” até porque encontram muitos desafios pela frente, entre os quais um “escudo” chamado burocracia. 

A integração do imigrante depende definitivamente das políticas locais” foi o que Ronaldo aprendeu, pois por mais medidas que o Governo nacional tome quanto à imigração, nada terá um efeito positivo tão alargado quando “o que eu posso fazer pelo meu vizinho e o que ele pode fazer por mim quando percebe que eu sou imigrante“. 

Ronaldo é apologista de que o imigrante deve ter em mente que está a chegar a um novo país para “fazer parte de uma nova cultura“, pelo que deve mostrar interesse em conhecer a história e costumes do país que o recebe e, claro, partilhar os seus

Com a quantidade e à velocidade que os imigrantes estão a chegar ao nosso país, e à nossa cidade, é fundamental ouvi-los a respeito do futuro do lar a que chamamos Portimão.

A próxima conversa está marcada para dia 28 de Março, pelas 19h00, na Casa Manuel Teixeira Gomes, sobre “Crianças e Jovens, Caminhos e Futuro”.

Teia D’Impulsos lança campanha de Consignação de IRS para a aquisição de uma carrinha adaptada

A partir de agora já pode consignar 0,5% do seu IRS a favor da Teia D’Impulsos. Com o valor angariado, a Associação pretende adquirir uma carrinha adaptada para transportar pessoas com diversidade funcional.

A campanha foi lançada nas redes sociais este São Valentim, apelando ao “impulso do coração” e convidando os cidadãos e empresas a embarcar nesta viagem solidária em conjunto com a Associação, que tem na sua génese o desenvolvimento de projetos assentes na “igualdade de direitos e oportunidades” por toda a região do Algarve. 

Esta é uma necessidade premente no nosso território, e a consignação do IRS leva-nos a acreditar que, até final deste ano, podemos integrar mais pessoas com diversidade funcional nas atividades inclusivas promovidas pela Teia D’Impulsos e por outras associações do Algarve”, confia o presidente e diretor executivo Luís Brito. 

Apesar de trabalhar em áreas tão distintas como a cultura, o desporto, o ambiente e a formação, a Teia D’Impulsos atua sobretudo com crianças, jovens e adultos com diversidade funcional, promovendo campos de férias e modalidades desportivas inclusivas como a dança ou a vela. De recordar que o projeto Vela Solidária foi responsável por organizar em 2023 o Campeonato do Mundo de Vela Adaptada, em Portimão.

Faça esta viagem com a Teia D’Impulsos

A Teia D’Impulsos passa a integrar a lista de instituições solidárias que o contribuinte pode selecionar para consignar 0,5% do seu IRS, percentagem essa que de qualquer modo iria para os impostos do Estado. Assim, ao optar pela consignação estará a apoiar diretamente associações com utilidade pública, sem qualquer custo para si.

Caso opte pela Associação Teia D’Impulsos saiba que o valor angariado será utilizado para adquirir uma carrinha adaptada que possibilitará a deslocação, com maior facilidade, segurança e conforto, dos beneficiários para atividades diferenciadoras, que contribuem para a sua inclusão social e maior qualidade de vida.

A qualquer momento pode aceder ao Portal das Finanças e consultar a sua declaração de IRS, antes mesmo de proceder à sua entrega, selecionando a opção de consignar (Modelo 3, Quadro 11, Campo 1101).

Um gesto simples, solidário e gratuito, que pode fazer toda a diferença na comunidade. Não é preciso pensar muito para embarcar nesta viagem e ceder ao impulso do coração.

Teia D’Ideias reflete sobre Imigração, os desafios e benefícios da Multiculturalidade

Após o sucesso de estreia desta série de talks Teia D’Ideias, a Teia D’Impulsos apresenta uma segunda conversa acerca da “Imigração – Desafios e Benefícios da Multiculturalidade” 

O encontro está marcado para esta sexta-feira,16 de Fevereiro, a partir das 19h00, na Casa Manuel Teixeira Gomes em Portimão. Uma nova oportunidade de usufruir da “liberdade de partilhar boas ideias“, no âmbito das comemorações dos 50 anos do 25 de Abril.

Os oradores convidados são o cidadão Ronaldo dos Santos, que partilhará o seu testemunho enquanto imigrante brasileiro a residir em Portimão; Ludmila Moghilevscaia, presidente do C.A.P.E.L.A. – Centro de Apoio à População de Leste e Amigos e Patrícia Pires, coordenadora do projeto Tavira Integra+ da Fundação Irene Rolo (FIR)

A conversa será dirigida por Cândida Rocha Pereira, vice presidente da Teia D’Impulsos. Caso não possa estar presente, poderá assistir em direto no Facebook da TDI

A iniciativa Teia D’Ideias conta com a parceria do Município de Portimão e com o apoio da Delta Cafés.

2º Torneio de Padel solidário em Portimão apoia crianças com necessidades terapêuticas e instituições sociais

Para comemorar o seu 2.º aniversário, a Matilha Padel Team volta a repetir o seu bem sucedido Torneio Solidário no fim de semana de 17 e 18 de Fevereiro, no Clube de Ténis e Padel de Portimão.

Em 2023 o torneio contou com 117 atletas e conseguiu angariar bens alimentares e produtos de higiene e limpeza, no valor de 3.500 euros, além de roupa, brinquedos e materiais para reciclagem. 

A Matilha Padel Team surgiu de um grupo de amigos que tinha em comum o gosto pela prática de padel, juntando-se para disputar jogos em forma de torneio, e desde a primeira hora que: “Foi notória a preocupação generalizada de ajudar o próximo e, nesse sentido, surgiu há cerca de um ano o primeiro torneio solidário, para apoiar instituições centradas na criança, que resultou num imenso sucesso”, contam os organizadores. 

O núcleo foi crescendo e conta já com cerca de 400 participantes. Após esse primeiro torneio, a Matilha Padel Team continuou a organizar outras iniciativas solidárias, entre as quais, a iniciação e o acompanhamento de crianças de instituições sociais de Portimão na prática de padel.

Em 2024 a competição pretende apoiar a Constança (Morning Smile With Constança) e o Vicente (O Mundo Colorido do Vicente), crianças com necessidade de tratamentos médicos dispendiosos, através da recolha de tampas, rolhas e caricas, além de todo o valor angariado resultante das inscrições e do apoio monetário de várias empresas que se decidiram associar a esta causa. Outra iniciativa do torneio será a recolha de bens e roupa de criança a ser entregues à Catraia e à Casa Nossa Senhora da Conceição

Em adição, o 2º Torneio Solidária Matilha Padel Team contará com a presença de diversos projetos locais, de inclusão e voluntariado, de forma a apoiar a sua divulgação visto “se enquadrarem nos nossos princípios e valores” defende a Organização. São eles o projeto FICA – Férias Inclusivas para a Comunidade Algarvia, da Associação Teia D’Impulsos, a Refood Portimão e a Magia com Impacto.

Teia D’Impulsos capacita instituições do terceiro setor para o desenvolvimento de novos projetos no Algarve

A Associação Teia D’Impulsos organizou um Bootcamp de Empreendedorismo Social para capacitar as instituições do terceiro setor, com vista ao desenvolvimento sustentável de novos projetos sociais no Algarve. 

A venda dos Passaportes que garantem o acesso ao evento Rota do Petisco voltou, em 2023, a reverter para o apoio a instituições solidárias dos municípios algarvios que integram o roteiro gastronómico. Mas, desta vez, não bastou às associações a inscrição dos seus projetos como também foram desafiadas a participar numa ação de formação entre 2 e 3 de Fevereiro, na Sala Azul do INATEL Albufeira Praia Hotel. 

Cinco instituições marcaram presença no Bootcamp com alguns elementos das suas equipas diárias de trabalho: Associação Em Contato (Tavira), Associação Teia D’ImpulsosC.A.S.A. – Centro de Apoio ao Sem Abrigo (Albufeira), FIR – Fundação Irene Rolo (Tavira) e GRATO – Grupo de Apoio aos Toxicodependentes (Portimão). 

A formação foi dirigida por Luís Brito, presidente e diretor da Teia D’Impulsos, e incidiu sobre todo o processo inerente ao desenvolvimento de um projeto, desde o momento de identificação do problema e reflexão de uma possível solução, à teoria da transformação, passando pela sustentabilidade e comunicação, culminando na “construção” do piloto e de um pitch. O Bootcamp integrou ainda um “momento inspirador” com a empreendedora social Mariana Moura Santos, fundadora do projeto Chicas Poderosas.

As organizações desenvolveram projetos nas áreas da capacitação de pessoas vulneráveis, desenvolvimento de competências em pessoas com diversidade funcional, envelhecimento ativo, transmissão de conhecimento intergeracional e cuidados básicos de saúde.

No final da formação, cada instituição teve de apresentar um pitch do seu projeto a um júri constituído por Andreia Nunes, técnica de Serviço Social do Município de Albufeira, Rui Cintra, secretário geral da Teia D’Impulsos, e Sofia Vairinho, especialista em Propriedade Intelectual do CRIA – Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia da Universidade do Algarve.

Os jurados avaliaram o impacto de cada projeto com base na sua importância para a comunidade, sustentabilidade e número de beneficiários e parceiros envolvidos, entre outros parâmetros. As organizações que participaram no Bootcamp receberam então um apoio monetário, resultado da Rota Solidária, para implementarem os projetos que desenvolveram ao longo dos dois dias de formação. 

Bootcamp de Empreendedorismo Social contou com a parceria do Município de Albufeira e com o apoio da Delta Cafés e do Bucha Tapas & Wine Bar.

As Novidades TDI em Janeiro de 2024

Faça parte desta viagem…
Doe 0,5% do seu IRS à Teia

O próximo destino é a aquisição de uma carrinha adaptada que transportará crianças, jovens e adultos com diversidade funcional para experiências incríveis!

A partir de agora já pode selecionar uma instituição solidária à qual atribuir esta doação, mesmo antes de entregar a sua declaração de IRS. Se lhe dissermos que o seu impulso de ajudar não lhe custará um cêntimo? 

Esses 0,5% iriam de qualquer forma para o Estado e, assim, são remetidos diretamente para a instituição escolhida – que podemos ser nós. O valor de IRS angariado destina-se a uma carrinha adaptada. Não é preciso pensar muito para embarcar nesta viagem e ceder ao impulso do coração.


Teia D’Ideias

E daqui a 50 anos? A liberdade de partilhar boas ideias

1ª Conversa: Envelhecer ativamente e ser jovem com saúde mental

Aproveitando a “liberdade de partilhar boas ideias“, comemorando os 50 anos do 25 de Abril, estreámos já a nossa primeira conversa informal sobre um assunto da atualidade: Envelhecimento e Saúde Mental. A Casa Manuel Teixeira Gomes esteve cheia e a audiência parece ter apreciado bastante as reflexões das nossas convidadas.


Horta Sensorial

A SENTIR continua a “dar frutos” e muito graças às visitas assíduas da Unidade de Educação Especial do Agrupamento de Escolas Poeta António Aleixo. Depois das lentilhas germinarem no copo com algodão, como se pode ver neste trabalho feito em aula, da última vez já as colocámos na terra!


Impulsos que se seguem…

Rota Solidária 2023

Ação de formação para projetos sociais

Iniciamos Fevereiro a “distribuir” o valor angariado com a venda dos Passaportes da Rota do Petisco 2023, através de um Bootcamp de Empreendedorismo Social em Albufeira que pretende capacitar as instituições sociais a melhor desenvolver os seus projetos.

Teia D’Ideias

Imigração, Desafios e Benefícios da Multiculturalidade

Seguimos a 16 de Fevereiro para uma segunda conversa, desta vez, sobre Imigração e Multiculturalidade. Uma vez mais, pelas 19h00 na Casa Manuel Teixeira Gomes. Se não puder comparecer, assista em direto através da nossa página de Facebook.

Lota Cool Market

Mercado mais Cool do Sul já tem datas

Foram divulgadas as datas da próxima edição do Lota Cool Market, na Antiga Lota de Portimão, marcado entre 24 e 28 de Julho. 

As inscrições para artesãos, foodtrucks e produtores, abrem na primeira semana de Março. Esteja atento.

Teia D’Ideias partilha como envelhecer ativamente e crescer com saúde mental

Na sexta-feira passada a Teia D’Impulsos teve a liberdade de partilhar boas ideias, a partir da Casa Manuel Teixeira Gomes, na sua primeira tertúlia Teia D’Ideias que celebra os 50 anos da democracia. Com casa cheia, a conversa recaiu sobre o “Envelhecimento e Saúde Mental”. 

As comemorações dos 50 anos do 25 de abril já começaram na cidade de Portimão com a primeira tertúlia dedicada a um tema da atualidade e a sua reflexão para os próximos 50 anos. No encontro de estreia estiveram à conversa Maria do Carmo Cruz, coordenadora de Saúde Mental da Região do Algarve do CHUA; Luísa Martins, presidente da Espiral de Vontades, e Iola Fernandes, diretora da Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim.

médica psiquiatra Maria do Carmo Cruz definiu envelhecimento enquanto “processo contínuo de modificação do organismo físico e psicológico” e saúde mental como “o bem que vem muito além da ausência de doença” existindo quando “uma pessoa consegue aproveitar todas as suas capacidades para funcionar a nível social, familiar e profissional, e ser capaz de enfrentar as situações de stress do dia a dia”.

O Algarve tem um problema grave de envelhecimento fruto de grandes discrepâncias geográficas, entre a serra e litoral, e com zonas muito isoladas, o que faz com que muitos idosos “estejam realmente muito afastados e em solidão”. Os maiores desafios são, segundo a médica, a falta de transportes e a reorganização da estrutura familiar com o núcleo de filhos e netos a afastar-se, cada vez mais, para os centros urbanos.

Maria do Carmo Cruz comenta que ainda que a pessoa não tenha qualquer doença perde capacidades durante o seu envelhecimento e que “as famílias vêem-se com grandes dificuldades com a falta de estruturas que dêem apoio” nesta área. É fundamental que as autarquias e freguesias estruturem esse tipo de ajuda e que os idosos tenham acesso a ele a partir das suas terras, sem terem de se deslocar para longe. “O ideal é termos estruturas para atuar o mais precocemente possível” através das mais diversas sinergias, sustenta.

Já o envelhecimento ativo significa “vivê-lo com a maior saúde possível”, arranjando estratégias para enfrentar o stress e “eventos de vida negativos como as dificuldades económicas, as perdas de emprego e as mortes”.

Além da alimentação saudável, com a dieta mediterrânica, de um sono reparador e do exercício físico, Maria do Carmo Cruz realça que “o nosso cérebro agradece que tenhamos bons relacionamentos sociais, boas relações com a família, e que tenhamos momentos de prazer”. Algo tão simples como ir ver o mar faz o cérebro segregar substâncias positivas como a dopamina e reduzir o cortisol, que causa o stress. A médica psiquiatra conclui: “É fundamental que saibamos envelhecer com saúde, tal como saibamos ser jovens e adultos com saúde mental.”

Retardar o envelhecimento na serra algarvia

O voluntariado é também uma das estratégias, realçadas pela médica, que contribui para a nossa saúde mental. E foi assim que nasceu a Associação Espiral de Vontades, em 2011, em Monchique. A sua fundadora, Luísa Martins, conta que o grupo de amigos começou a recolher tampinhas (de plástico, caricas e rolhas) para reciclagem e, com esse gesto, adquirir cadeiras de rodas para crianças com diversidade funcional de toda a região do Algarve. Em seguida, criaram a Loja Social que apoia pessoas carenciadas.

A Espiral de Vontades construiu, em Monchique, a única sala de neuro estimulação (Snoezelen) aberta ao público no Algarve com fisioterapia, psicomotricidade, terapia da fala, massagem terapêutica e nutrição. Neste momento, através do PDR2020 Renovação de Aldeias, a sala está a ser ampliada para poder oferecer ainda mais terapias. Luísa explica que naquele espaço “podemos fazer terapia ou estimulação sensorial também com pessoas saudáveis para que não percam a sua memória”.

Em adição, existe o projeto “Idosos em Movimento” através do qual a Associação percorre as freguesias do concelho de Monchique para sessões de fisioterapia e psicomotricidade de forma a “retardar a falta de mobilidade” da população envelhecida. 

A enfermeira atenta que “há locais difíceis de chegar e pessoas que viveram tanto tempo em isolamento, sempre ocupadas na agricultura e a cuidar dos animais, que depois não fazem fazer mais nada” nos tempos de lazer, sendo importante criar atividades que vão ao encontro dos seus interesses. Em Abril a Espiral de Vontades apresenta a maior bota feita em crochê do mundo. Luísa Martins sublinha que “este é um bom exemplo de uma terra pequena onde se consegue retardar o envelhecimento”.

As demências vão aumentar exponencialmente

Em Maio do ano passado a Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim inaugurou a única estrutura residencial para doentes com Alzheimer e outras Demências do Algarve e Alentejo. A sua diretora, Iola Fernandes, partilhou que tudo começou há 10 anos atrás quando “fomos percebendo que a percentagem de população com demência que nos chegava era cada vez maior” e que “a forma como os lares tradicionais se organizavam não respondia de uma forma eficaz” à problemática.

Estrutura Residencial “José Cabrita” tem capacidade para 70 doentes em internamento e 20 doentes em regime de centro de dia e, de momento, está sem vagas disponíveis. A maioria dos doentes são do Barlavento algarvio mas chegam outros de várias partes do país e até estrangeiros. A diretora técnica afirma que: “Foi muito audaz uma pequena instituição, num pequeno concelho, lançar um projeto que serve toda a região. Tivemos de nos reinventar, perceber mais sobre demências.”

Iola Fernandes assegura que com o envelhecimento populacional as demências vão aumentar exponencialmente e “não podemos ter a ilusão de que existem respostas sociais para toda esta população, pelo que vamos ter de dar meios às pessoas para viverem no seu ambiente natural e respostas especializadas, o internamente, apenas para os casos mais difíceis”.

A próxima conversa está marcada para dia 16 de Fevereiro, pelas 19h00, na Casa Manuel Teixeira Gomes e é sobre “Imigração – Desafios e Benefícios da Multiculturalidade”.

Teia D’Impulsos celebra “a liberdade de partilhar boas ideias” com uma série de tertúlias

Sob o lema “a liberdade de partilhar boas ideias” a Associação Teia D’Impulsos convida a quatro tertúlias Teia D’Ideias no âmbito das comemorações dos 50 anos do 25 de Abril, na cidade de Portimão, com o objetivo de compreender onde estaremos nós daqui a outros 50 anos em diferentes questões de uma verdadeira “terra democrática”. 

As datas de todas as conversas já estão lançadas e  decorrerão sempre à sexta-feira, pelas 19h00, na Casa Manuel Teixeira Gomes, acerca de temáticas tão transversais e atuais quanto o envelhecimento e a saúde mental, a imigração e a multiculturalidade, a juventude e a tecnologia, o ambiente e a sustentabilidade. 

A primeira talk acontece já no dia 26 de Janeiro sobre “Envelhecimento e Saúde Mental”, de forma a perceber o impacto do envelhecimento na saúde mental na região do Algarve, qual o estado das instituições de resposta a estas problemáticas e quais as iniciativas existentes na comunidade que promovem o envelhecimento ativo.

Juntam-se à conversa as convidadas Maria do Carmo Cruz, Coordenadora Regional de Saúde Mental da Região do Algarve CHUA; Iola Fernandes, Diretora Geral da Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim e Diretora Técnica da Estrutura Residencial José Cabrita – Alzheimer e outras Demências e Luísa Martins, Presidente da Associação Espiral de Vontades sediada em Monchique.

A moderação ficará a cargo de Elisabete Rodrigues, Diretora do jornal Sul Informação, e o evento será também transmitido em direto no Facebook da Teia D’Impulsos. As tertúlias Teia D’Ideias contam com o apoio do Município de Portimão e da Delta Cafés.

Especial Teia D’Ideias

Um debate que lançou ideias que deverão ser tidas em conta para a construção de Portimão. No dia 5 de Dezembro a Teia D’Impulsos organizou um Teia D’Ideias especial comemorativo pelo Dia da Cidade de Portimão, que se aproxima. O presidente da Associação, e moderador desta conversa, Luís Brito, deixa-nos o resumo de um encontro que tantas e importantes reflexões trouxe para o futuro da nossa cidade.

A poucos dias do início do ano em que serão comemorados os 50 anos sobre a instalação da democracia em Portugal e os 100 anos de elevação de Portimão a cidade, a Teia D’Impulsos promoveu um debate sobre o tema Portimão, uma cidade em construção.

Tendo como convidados Marco Rodrigues (ARQ10) da área da arquitetura, Rui Batalau (ISMAT) da área do desporto, Rosa Poucochinho (GRATO) da área social e Júlio Ferreira (Alvor FM e Choque Frontal ao Vivo) da área da cultura, e com uma plateia eclética e com a presença de João Gambôa, vereador do Município de Portimão e Isabel Soares, chefe de Divisão de Museus, Património e Arquivo Histórico, o debate foi rico, divergente e lançaram se ideias que deverão ser tidas em conta para a construção de Portimão.

De muita coisa se falou, todas com importância e pertinência porque construir uma cidade não pode passar pela simples comparação com outras cidades, muitas vezes muito superiores a Portimão, nem tão pouco por executar vontades pessoais na expectativa de solucionar problemas. A questão do trânsito em Portimão, segundo a perspetiva de Marco Rodrigues, não passa por retirar os carros do centro da cidade mas sim por abrir vias e conectar espaço, passa por planear a interligação entre as infraestruturas com base nas dinâmicas sociais e económicas, tendo por base o espaço e a valorização do que existe.

Já na área da educação, Rui Batalau expressou a realidade dos professores, que todos conhecemos através da televisão, e que se agravou com a chegada de um número muito significativo de imigrantes. A falta de reconhecimento e respeito pela carreira docente associado à falta de condições para exercerem e aos desafios colocados pela diversidade de nacionalidades, culturas e hábitos, está neste momento a condicionar não só a formação destes alunos imigrantes mas também dos nativos. De uma forma clara está-se a colocar em causa a formação e a educação de todos estes jovens portugueses e estrangeiros, resultado de uma falta de planeamento, de reformas para os professores e de infraestruturas e equipamentos.

No que ao desporto diz respeito, Rui Batalau frisa a urgência de se construir um ‘Parque da Cidade’ onde os cerca de 60 mil habitantes de Portimão possam, de forma formal ou informal, desenvolver a sua atitude física. Da mesma forma, não compreende a inexistência de uma piscina olímpica no barlavento algarvio nem tão pouco a incapacidade que os municípios têm demonstrado de se aliar numa gestão racional e sustentável de construção e gestão de equipas desportivas de elevada relevância para o território.

Rosa Poucochinho relatou as valências sociais do GRATO, com especial ênfase para a necessidade de criar condições de apoio e humanização das atividades desenvolvidas e que são fundamentais para a sobrevivência de muitas pessoas e famílias. Referiu ainda que ao invés de um desinteresse genérico por parte da sociedade, resultado de algum individualismo, o CLAS é um exemplo de cooperação, partilha e apoio entre as mais de 50 instituições que, direta ou indiretamente, trabalham na área social em Portimão.

cultura vive hoje em Portimão um momento crescente mas ainda muito longe daquilo que poderia constituir a operacionalização de um plano estratégico para a Cultura e que deveria começar nas escolas com ações de educação cultural.

Uma programação elitista e, mais ainda, uma atitude elitista promovida pelo Teatro Municipal de Portimão (TEMPO), no seu início, levou ao afastamento da população e ao crescente estigma de que o “TEMPO era só para algumas pessoas“, que demora a desconstruir e que criou um hiato entre aquilo que deveria ser a missão de um equipamento desta natureza e o que realmente aconteceu. Esta reflexão de Júlio Ferreira terminou com um sentimento de mudança progressiva na programação cultural, deixando de resultar da vontade de uma pessoa e passando a integrar uma lógica de diversidade e de promoção da cultura para todos.

Antes das intervenções do público, a Isabel Soares e o João Gambôa tomaram da palavra para explicarem o trabalho que o museu de Portimão e a Casa Manuel Teixeira Gomes desenvolvem junto da comunidade em geral e dos jovens em particular assim como do trabalho invisível que é desenvolvido no âmbito da investigação e da preservação do espólio material e imaterial da história de Portimão, assim como para explicarem o potencial que Portimão representa em termos regionais e nacionais, refletido na enorme procura por imigrantes e investidores.

O público aproveitou a oportunidade para realçar a importância de que tudo o que tem que ver com construção e desenvolvimento deve ter como base a responsabilidade ambiental e a sustentabilidade de ecossistemas. Foram ainda abordadas as temáticas dos imigrantes e a sua importância na sociedade de Portimão, bem como do papel que o turismo ocupa na vida de Portimão e do Algarve. Em jeito de conclusão:

   • Ouvir a sociedade terá de ser uma prática incondicional do poder político, num exercício de proporcionar aos cidadãos proximidade com as decisões políticas;

   • A partilha de recursos por parte dos municípios, para além de representar uma gestão racional e sustentável, irá proporcionar um maior e mais equitativo desenvolvimento social;

   • É imperativo construir planos estratégicos para que o desenvolvimento seja orientado e alinhado dentro de cada município e entre municípios;

   • Portimão é uma cidade em que a construção com betão, é evidente, mas em que o Parque da Cidade ainda não passou de ideias, ambições, desenhos e concursos. O Parque da Cidade é um elemento chave no desenvolvimento sustentável de Portimão.

Palavras de Luís Brito, presidente Teia D’Impulsos

Teia D’Impulsos renova distinção de Marca Entidade Empregadora Inclusiva

Associação Teia D’Impulsos voltou a ser distinguida com o selo de Marca Entidade Empregadora Inclusiva, uma iniciativa do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

A 4ª edição da Marca Entidade Empregadora Inclusiva avaliou a adoção de políticas e práticas inclusivas, por parte das entidades empregadoras, durante os anos de 2021 e 2022. A distinção é, assim, atribuída de dois em dois anos e já em 2021 a Associação Teia D’Impulsos candidatava-se pela primeira vez à iniciativa e foi uma das entidades distinguidas.

É identificado um importante conjunto de atuações e práticas de gestão que consubstanciam organizações mais inclusivas e com maior responsabilidade social, fatores que determinam o seu merecido destaque e reconhecimento”, atenta o Presidente do Conselho Diretivo do IEFP, Domingos Lopes.

As entidades foram avaliadas nos domínios do recrutamento, desenvolvimento e progressão profissional, manutenção e retoma de emprego, acessibilidades e serviço e relação com a comunidade.

Em 2023 foram submetidas 162 candidaturas, um aumento de 23% face à última edição, o que resultou em 54 entidades distinguidas com a Marca Entidade Empregadora Inclusiva, por todo o território nacional, apenas duas das quais na região do Algarve: a Teia D’Impulsos e a Existir – Associação para a Intervenção e Reabilitação de Populações Deficientes e Desfavorecidas.

Entre o leque de vencedores contabilizam-se 99.448 colaboradores dos quais 3.251 com algum tipo de deficiência (3,3%).

Luís Brito, Presidente da Teia D’Impulsos, afirma que: “A Marca Empregadora Inclusiva é um título atribuído pelo IEFP a entidades empregadoras que têm uma preocupação acrescida e desenvolve ações que promovem a inclusão quer no âmbito de trabalho quer na comunidade da sua área geográfica. Pela segunda vez consecutiva a Teia D’Impulsos vê reconhecidas as suas políticas e ações que promovem a inclusão internamente e junto da comunidade algarvia.

Uma relação inclusiva com a comunidade

A Teia D’Impulsos foi distinguida no domínio do serviço e relação com a comunidade. A associação tem vindo a investir na melhoria das acessibilidades da sua sede, no Espaço Raiz em Portimão, com destaque para a sua Horta Sensorial que foi pensada e construída para todos, independentemente das suas necessidades, características e competências.

Foram também tidos em conta todos os seus projetos que promovem a inclusão, entre os quais, em termos desportivos, a Vela Solidária com a sua Escola de Vela Adaptada que, inclusive, já formou campeões mundiais e o ECOS – Oficina de Dança Inclusiva destinada a crianças, jovens e adultos com e sem deficiência.

Ao nível social, destaque para o projeto FICA – Férias Inclusivas para a Comunidade Algarvia que, desde 2018, proporciona umas férias de verão com experiências diferenciadoras a crianças e jovens com deficiência, e o HELP – Apoio ao Cuidador com a mesma valência, mas em momentos esporádicos ao longo de todo o ano, e cuja ambição para o futuro é a criança de um grupo de cuidadores informais para a partilha de testemunhos.

No futuro, a TDI planeia continuar a sua missão de promoção da inclusão e da acessibilidade na comunidade algarvia, através das iniciativas já em marcha e do desenvolvimento de novas ideias